Nenê processa Vasco por não receber valores após rescisão contratual; caso vai ser julgado

Ex-meia vascaíno cobra do time de São Januário quase R$ 3 milhões e aguarda julgamento que não tem data prevista por causa da pandemia do Coronavírus

Nenê atravessa fase positiva no Flu. Foto: Lucas Merçon/Fluminense

Belo Horizonte, 21/05/2020 – Portal Futebol Diário

A relação de jogador de futebol com clube é muitas vezes do céu ao inferno. Na história do futebol brasileiro, por exemplo, muitos atletas que jogam e marcam positivamente a sua passagem em determinada equipe, acabam posteriormente tendo atritos com o seu ex-time e, na maioria das ocasiões, tem a ver com situações no que diz respeito a valores financeiros. Com salários atrasados e inúmeras dívidas, o Vasco recebeu uma nova ação na Justiça em meio a uma crise financeira que parece ser interminável, principalmente durante a pandemia do novo Coronavírus. Ex-jogador do time cruz-maltino entre 2015 a 2018, o meio-campista Nenê, de 38 anos de idade, acionou o Vasco da Gama na 26ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro cobrando um valor de R$ 2,8 milhões pelo não pagamento de valores em atraso que tinha direito de receber depois da rescisão contratual com o seu ex-clube.

Na ocasião, quando deixou o time vascaíno, Nenê ainda tinha contrato em vigor com o Vasco por mais uma temporada, mas optou por deixar a agremiação rumo ao Morumbi. Por parte do atleta, ele alega que a diretoria do Vasco da Gama, à época na gestão de Eurico Miranda e atualmente presidida por Alexandre Campello, não conseguiu pagar os seus vencimentos em atraso, além de não terem assinado a sua rescisão de contrato quando transferiu-se ao São Paulo, em janeiro de 2018, e ainda perderam a sua carteira de trabalho. Atualmente jogador e destaque do Fluminense, Nenê, em sua defesa, afirma que deveria receber do Vasco R$ 800 mil divididos em 30 vezes de R$ 26.666,67, entre fevereiro de 2018 a julho de 2020 – devido a salários atrasados em novembro e dezembro de 2017, além de 13º, férias vencidas e proporcionais, multa por não pagamento de verbas rescisórias, FGTS, e os chamados ‘bichos’, que são as premiações.

Tal valor cobrado agora em quase R$ 3 milhões, de acordo com Nenê e suas advogadas, deve-se em virtude do antigo valor acrescido por multa e juros, uma vez que seu salário teve aumento depois que renovou o contrato em São Januário antes de vestir a camisa do tricolor paulista. Vindo do West Ham, da Inglaterra, Nenê foi um dos destaques do Vasco durante a sua passagem pela colina e a relação com a torcida vascaína era muitas vezes saudável. Ao todo no Vasco da Gama, Nenê atuou em 132 partidas, fez 44 gols e contribuiu com 34 assistências, além do título do Campeonato Carioca de 2016 conquistado. Já no arquirrival do Vasco, Fluminense, Nenê é uma das principais armas do técnico Odair Hellmann e, desde que chegou às Laranjeiras, no ano passado, são 40 jogos disputados, 12 gols marcados e 5 assistências. Devido ao caos da Covid-19, o juiz Marcelo Segal ainda vai julgar o caso entre Nenê contra Vasco, mas sem data definida até o momento. Tanto jogador quanto clube ainda não se manifestaram oficialmente.