Após bastante tempo, Flamengo volta a encontrar e firmar laterais que se completam entre os titulares

Contratados para resolveram problemas nas laterais questionados pelos torcedores nos últimos anos, experientes Rafinha e Filipe Luís já deram primeiros resultados ao Fla

Filipe Luís chegou ao Flamengo vindo do Atlético de Madrid e Rafinha do Bayern.
Foto: Alexandre Vidal/Flamengo

Belo Horizonte, 15/05/2020 – Portal Futebol Diário

Marco Túlio Souto

Ser titular de somente uma posição em campo é uma tarefa árdua para qualquer jogador de futebol que escolhe apenas um determinado espaço para ocupar durante uma partida – uma delas, por exemplo, são as laterais, que exigem bastante do atleta por tratar-se de uma posição a qual obriga o jogador saber defender e atacar ao mesmo tempo. Mas para encontrar jogadores que fazem com qualidade essas duas funções simultaneamente, os clubes brasileiros, especificamente, muitas vezes precisam quebrar a cabeça, revelar ou investir pesado no mercado de transferências em busca de uma performance de alto nível tanto para o flanco direito quanto esquerdo. No Flamengo, tal busca não foi diferente no ano passado depois que a equipe rubro-negra passou por vários anos tentando suprir uma dupla que fez sucesso no penúltimo título flamenguista do Campeonato Brasileiro: Leonardo Moura e Juan. Em 2009, Léo Moura, pela lateral direita e Juan, pela lateral esquerda, ajudaram o Fla a chegar na ocasião ao pentacampeonato Brasileiro e ficaram na história do clube por esse e outros títulos, algo que acabou posteriormente desacostumando os flamenguistas.

Mas o Flamengo resolveu colocar a mão no bolso nesses setores visando um projeto vitorioso com Jorge Jesus e, atualmente, dois jogadores buscam o mesmo no Flamengo nessas duas posições, casos do lateral direito Rafinha e do lateral esquerdo Filipe Luís, os quais estiveram um dia também na Seleção Brasileira. Após muito tempo atuando no futebol europeu e repletos de conquistas por onde passaram no Velho Continente, os dois laterais escolheram em 2019 o Flamengo para retornarem ao Brasil na tentativa de colecionarem mais títulos em suas respectivas carreiras e ajudar o time flamenguista a quebrar dois longos jejuns de conquista nacional e sul-americana. Na temporada passada, primeira de Rafinha e Filipe Luís no Ninho do Urubu, eles venceram juntos de quebra com os seus companheiros de equipe Campeonato Carioca, Campeonato Brasileiro e Libertadores, um pouco diferente em relação a Léo Moura e Juan, por exemplo, no ano de 2009, quando o Fla ergueu além do Brasileirão também o Campeonato Estadual. Deste modo, uma única diferença entre Leonardo Moura e Juan para Rafinha e Filipe Luís em uma temporada de sucesso, fica somente no título da Libertadores da América conquistado pela dupla atual de laterais do Flamengo e fator esse já grandioso aos novos laterais do clube.

Antes de Filipe Luís e Rafinha desembarcarem no Rio de Janeiro para assinaram com o Flamengo, o rubro-negro carioca teve recentemente laterais como Pará, Rodinei, Kleber, João Lucas e Renê, esse último que ainda permanece no time, como opções. Porém, a torcida flamenguista queria ter de volta dois jogadores titulares absolutos dessa posição e que se completam para os triunfos terem mais probabilidades de ocorrem. Com características mais ofensivas, Rafinha destaca-se pela profundidade e qualidade nos cruzamentos em busca de atacantes como Gabigol e Bruno Henrique pela direita do sistema ofensivo. Por outro lado, Filipe Luís possui atributos mais defensivos pela esquerda, como a marcação e consistência. Tais peculiaridades de ambos jogadores, contudo, não dizem que eles possuem imprecisões para ajudar o Flamengo a se defender, no caso de Rafinha e atacar, no que diz respeito a Filipe Luís. Desde que chegaram ao RJ, os dois laterais atuaram um total de 68 partidas, sendo 38 de Rafinha e 30 de Filipe Luís vestindo a camisa do Flamengo e ambos sobram em passes para gols. Deles, entretanto, somente Filipe Luís balançou a rede desde então, em uma oportunidade, e Rafinha ainda segue com esta tarefa.

Curiosamente, Rafinha e Filipe Luís assinaram seus respectivos contratos até 31 de dezembro de 2021 com o Flamengo e, para isso, têm um desafio à parte além de mais títulos em relação a dois dos laterais mais vitoriosos da história do rubro-negro, casos de Léo Moura e Juan, mencionados anteriormente. Apesar de menos títulos comparadas as temporadas que o Fla venceu o penta e o hexacampeonato do Brasileirão, Leonardo Moura e Juan esbanjam conquistas no Flamengo e somam juntos, ao todo, 22 taças erguidas no Fla. Desses inúmeros canecos, Léo Moura venceu 14 e Juan 8 títulos. Já em números individuais, a antiga dupla também não deixa a desejar – uma vez que Leonardo Moura atuou em 519 oportunidades e fez 47 gols, enquanto Juan foi a campo com a camisa flamenguista 256 vezes e anotou 32 gols. Os melhores números de Léo Moura, neste caso, deve-se também pelo tempo que o atleta jogou no Flamengo, sendo um total de 15 anos consecutivos, algo comum na Europa e pouco visto no Brasil. Com essas cifras individuais e coletivas de Léo Moura e Luan, respectivamente, a missão de Rafinha e Filipe Luís para ficarem de vez marcados na história rubro-negra mostra não ser simples e os dois laterais mostram serviço.