Assim como o futebol brasileiro, futuro de jovem atacante continua indefinido no Palmeiras

Após interesses de equipes europeias, jogador não sabe se permanecerá na Academia de Futebol quando o futebol voltar depois do Coronavírus

Mauricio Galiotte (D) abraça Gabriel Verón após renovação de contrato do atleta com o Palmeiras. Foto: Divulgação/Palmeiras

Belo Horizonte, 29/04/2020 – Portal Futebol Diário

Marco Túlio Souto

A velha história segue se repetindo e uma delas, em diante, pode ser concretizada. Há muitas décadas, tornou-se cultural no futebol brasileiro uma jovem promessa ser em seus primeiros passos monitorada pelos clubes europeus de alto poder aquisitivo, principalmente com uma moeda mais forte que o real e a vontade de todo jogador em atuar um dia em gramados como do Camp Nou, Santiago Bernabéu, San Siro, Anfield, Old Trafford, entre outros. O processo é quase sempre o mesmo quando um garoto é produzido e revelado pelas categorias de base, para depois ser lapidado pelo clube no time profissional e gerar frutos posteriormente dentro e fora das quatro linhas. No Palmeiras, um dos clubes que mais revelam jogadores promissores no Brasil, o interesse de equipes europeias por ‘pratas da casa’ começou desde cedo em 2020 e quiçá antes na Academia de Futebol. Aos 17 anos de idade, o atacante Gabriel Verón chama atenção de Manchester City, Manchester United, Chelsea e Everton, da Inglaterra, sem nem sequer ter uma trajetória vitoriosa com títulos no profissional do Palmeiras, mas apenas tendo mostrado nas primeiras oportunidades oferecidas pelo time alviverde bastante qualidade com a bola nos pés e personalidade.

Desde que foi campeão pela Seleção Brasileira Sub-17 no Mundial da categoria no ano passado, na final sobre o México, além de ter sido eleito pela FIFA o melhor jogador da competição, o habilidoso Gabriel Verón logo traçou novos caminhos para a sua carreira no Palmeiras em somente 12 jogos disputados com a camisa do verdão até o momento. A estreia do jogador aconteceu na reta final da temporada 2019 durante o Campeonato Brasileiro e o garoto não decepcionou após debutar pelo clube – foram dois gols marcados em um confronto contra o Goiás, em 3 partidas no total. Durante esse momento iluminado, Gabriel Verón recebeu do Palmeiras uma proposta de renovação contratual com o clube, em novembro passado, e aceitou fácil. Na ocasião, Maurício Galiotte, presidente do clube alviverde, prorrogou o vínculo contratual do atleta até dezembro de 2024 e quem quiser tirar Gabriel Verón do Palmeiras vai precisar desembolsar uma grana considerável nos cofres da Academia de Futebol.

Dono de 60% dos direitos federativos de Gabriel Verón, uma vez que os outros 40% pertencem ao Santa Cruz-RN, clube que concedeu no início da adolescência as primeiras oportunidades ao atacante no futebol, o Palmeiras só pretende negociar Verón por no mínimo 30 milhões de euros, equivalente na cotação atual a mais de R$ 174 milhões – quantia bastante aceitável por qualquer clube no Brasil em meio à crise que causa a pandemia do novo Coronavírus. Neste instante e mesmo em alta, Gabriel Verón encontra uma ótima concorrência por espaço no setor ofensivo do Palmeiras e não é titular, já que o elenco também tem como opções para o ataque o recém-contratado Rony, ex-Athletico Paranaense, além dos experientes Luiz Adriano, Willian Bigode e Dudu, e os jovens Luan Silva e Wesley. Sob as ordens do técnico Vanderlei Luxemburgo na atual temporada, Gabriel Verón atuou em 9 jogos, sendo 3 como titular pelo Campeonato Paulista diante de São Paulo, Oeste-SP e Mirassol, e nenhum gol foi marcado. Quando o futebol retornar após a Covid-19 – data ainda incerta com o crescimento da doença no Brasil – o futuro de Gabriel Veron no Palmeiras deve ser enfim definido, seja vestindo a camisa alviverde ou de outro clube europeu. Caso o destino do garoto for atuar no time azul de Manchester, por exemplo, ele encontrará um outro jovem jogador, revelado pelo Palmeiras e o qual deixou cedo a Academia de Futebol, Gabriel Jesus.