Atlético paga dívida milionária junto à FIFA e evita eventual punição no Campeonato Brasileiro

Clube conta com parceiros de construção do novo estádio e quita quantia superior a R$ 13 milhões devido a contratação de Maicosuel à época com Kalil na presidência

Sette Câmara se pronuncia oficialmente para anunciar pagamento a entidade máxima do futebol. Foto: Pedro Souza/Atlético

Belo Horizonte, 27/04/2020 – Portal Futebol Diário

Mesmo sem entrar em campo por causa do terror do Coronavírus, o Atlético viveu até o fim da tarde desta segunda-feira uma tensão fora das quatro linhas. Mas como o Galo e seus torcedores costumam dizer, o clube acreditou nos minutos finais e conseguiu, através de parceiros, quitar uma dívida milionária referente a contratação do ex-meia atleticano, Maicosuel, que atuou no Galo entre 2014 e 2015 e 2016 e 2017. A quantia, cobrada pela Udinese, da Itália, dona na ocasião dos direitos econômicos do atleta, era no valor de R$ 13.454.328,54 que estava parada na FIFA desde as gestões de Alexandre Kalil e Daniel Nepomuceno. O prazo final para o pagamento do Atlético junto a entidade máxima do esporte terminava justamente até meia-noite desta segunda-feira, porém, com a ajuda dos empresários Rubens Menin, Rafael Menin e Ricardo Guimarães – os quais estão auxiliando o clube na construção da Arena MRV – o Atlético pagou o importante compromisso e evitou que consequências negativas viessem pela frente possivelmente no Campeonato Brasileiro.

Caso o Atlético não conseguisse pagar até esta segunda-feira a dívida na FIFA, o time poderia perder pontos antes mesmo da disputa do Brasileirão deste ano, inicialmente marcado para maio, mas que vai ter uma nova data de começo agendada devido a Covid-19. O pagamento superior a R$ 13 milhões acontece também em meio a outros problemas financeiros no Galo, que precisou, por exemplo, reduzir recentemente em 25% os salários de jogadores, comissão técnica, diretoria e funcionários por causa da crise do Coronavírus, além de outras demandas de ex-jogadores do Atlético que cobram neste momento da instituição milhões de reais – casos do goleiro Uilson e do atacante Maicon Bolt. Essas situações, contudo, ainda estão sob os cuidados do departamento jurídico e financeiro do Atlético e novidades devem ocorrer em breve.

Ainda sem previsão de retorno aos treinamentos na Cidade do Galo, uma vez que o Campeonato Mineiro não tem até o momento uma definição final sobre sua continuação ou término após a Covid-19, o Atlético afirma que não está a procura de novos jogadores para reforçar o seu elenco, sobretudo, visando a disputa do Campeonato Brasileiro. No entanto, alguns nomes são especulados durante a atual paralisação das competições, principalmente tratando-se dos setores de defesa e ataque, e com o argentino Jorge Sampaoli no comando técnico. Desta forma, a diretoria atleticana tem o desejo de contratar pelo menos um zagueiro e um atacante com o intuito de incorporar o plantel para o restante do ano, e o clube pode ainda em 2020 ultrapassar o número de oito reforços até este instante para a sequência da temporada. Caso haja alguma saída, como por exemplo, no meio de campo, a reposição também deve ocorrer. Atual camisa 10 do Atlético, Cazares, por sua vez, tem futuro incerto no clube já que o seu vínculo contratual, com vencimento em 31 dezembro deste ano, ainda não foi renovado e o jogador pode assinar um pré-contrato com outra equipe a partir do próximo semestre.