Nas estreias de Sampaoli e Rafael, Galo vence e assume provisoriamente à vice-liderança do Mineiro

Atlético não dá chances ao Villa Nova e volta a ganhar pela segunda vez consecutiva no Estadual; Diego Tardelli e Cazares não entram em campo

Jorge Sampaoli debutou com o pé direito no Galo. Foto: Bruno Cantini / Agência Galo / Atlético

Do Portal Futebol Diário, em Belo Horizonte

Marco Túlio Souto

A era Jorge Sampaoli no Atlético começou oficialmente com vitória. Na estreia do novo treinador atleticano na noite desse sábado, diante do Villa Nova-MG, no Estádio Castor Cifuentes e com os portões fechados devido ao Coronavírus, o Galo venceu com tranquilidade pelo placar de 3 a 1 e assume à vice-liderança provisória do Campeonato Mineiro com 18 pontos somados. Antes do início da nona rodada do Estadual, o Galo estava em quarto lugar e, com o triunfo, ultrapassou a Caldense que perdeu para o novo líder de momento, Tombense, além do América e antigo líder, mas pelo saldo de gols já que ambos estão empatados com 18 pontos. A vitória alvinegra em Nova Lima também foi a quinta do Atlético no Campeonato Mineiro e a segunda consecutiva na competição, em partida que marcou surpreendentemente outra estreia no Galo. Recém-contratado e ex-Cruzeiro, o goleiro Rafael foi titular no lugar de Victor e jogou pela primeira vez vestindo a camisa atleticana. Por outro lado, o Villa Nova atuou com o uniforme todo branco e sofreu a sua sétima derrota no campeonato. Com apenas quatro pontos ganhos, o Leão do Bonfim passa a ser o time que mais perdeu no torneio e pode terminar a rodada ainda na zona de rebaixamento, caso Coimbra ou Tupynambás, adversários diretos contra a degola, vençam seus compromissos neste domingo.

No primeiro jogo sob a batuta do Galo, Jorge Sampaoli promoveu uma escalação diferente em relação ao triunfo atleticano sobre o Cruzeiro, na rodada anterior. Além da entrada de Rafael na meta titular, dois jogadores do sistema ofensivo ganharam oportunidades devido às ausências do volante Jair e do meio-campista Rómulo Otero, suspensos. Na vaga de Jair, Hyoran foi escalado no meio de campo, enquanto no lugar de Otero, Franco Di Santo voltou a estar no ataque como titular fazendo companhia a Ricardo Oliveira. Assim, o Atlético entrou em campo com Rafael; Guga, Igor Rabello, Gabriel e Guilherme Arana; Allan, Nathan, Hyoran e Savarino; Di Santo e Ricardo Oliveira. No Villa Nova, um jogador de destaque e capitão do time foi escalado mais uma vez, caso do veterano volante Augusto Recife, que enfrentou o Galo em inúmeras oportunidades quando atuou pela Raposa e reencontrou o antigo rival.

Na primeira etapa em Nova Lima, viu-se rapidamente uma das filosofias de Sampaoli sendo executadas pelos jogadores do Galo nos primeiros movimentos de jogo. Rafael, estreante da noite junto com o treinador, participou bastante da partida atuando muito com os pés, sobretudo nas saídas de bola do Atlético da defesa para o meio de campo e ataque. E logo aos dois minutos da etapa inicial, o Galo abriu o placar para alegria do argentino e seus pupilos. Em jogada individual de Nathan, o meia invadiu a área do Villa Nova sem piedade, driblou o goleiro e serviu Di Santo. Com frieza, o outro ‘hermano’ do Atlético concluiu de pé direito e estufou o barbante: 1 a 0. Esse foi o sétimo tento de Di Santo no Galo, justamente depois de o atacante ter perdido espaço nas últimas partidas após rendimentos abaixo do esperado.

Com volume de jogo inicial sem dar chances à equipe anfitriã, o Atlético chegou a ter 86% de posse de bola e quase ampliou o marcador dois minutos depois de inaugurar o escore – Hyoran, em chute de fora da área, mandou a bola rente ao travessão adversário e, por pouco, não marcou um golaço. Depois disso, o Villa Nova passava a adiantar a sua marcação e buscava dificultar a saída de bola do Atlético, que não dava ‘chutão’ e sempre fazia a transição da defesa para o meio de campo com passes curtos à pedido de Sampaoli. Porém, sem oferecer muito perigo, o Villa Nova não conseguia ser eficaz quando roubava a pelota no campo de ataque e pouco fez Rafael trabalhar no primeiro tempo. Aos 42 minutos, superior no confronto e em nova chegada ao sistema ofensivo depois de muito tempo, o Galo ampliou o resultado para dificultar ainda mais a vida do seu oponente.

Em nova participação de Nathan no ataque, uma vez que voltou a jogar improvisado de volante no Atlético, o jogador atleticano aproveitou cruzamento rasteiro pela esquerda do capitão alvinegro da noite, Ricardo Oliveira, dominou com rapidez e arrematou de pé canhoto. A bola explodiu no travessão do goleiro Ricardo Vilar e sobrou açucaradamente para Jefferson Savarino na pequena área. Com extrema inteligência e categoria, o atacante venezuelano fez acrobacia e marcou um belo gol de voleio para aumentar a diferença para o Galo na partida: 2 a 0. Esse foi o primeiro gol de Savarino pelo Galo em seu segundo jogo como titular vestindo as cores do Atlético. Na reta final do primeiro tempo, o time atleticano ainda teve a oportunidade de fazer o terceiro tento, quando Ricardo Oliveira recebeu lançamento de Guga, contou com falha da zaga anfitriã e invadiu a área. Em finalização de pé canhoto, o camisa 99 atleticano parou em Ricardo Vilar, que fez grande defesa e salvou o Villa Nova.

Savarino marcou um golaço em Nova Lima. Foto: Bruno Cantini / Agência Galo / Atlético

Mas o terceiro gol do Atlético não demorou tanto com muita superioridade técnica do Galo sobre o seu adversário. Aos 11 minutos do segundo tempo, Ricardo Oliveira partiu em velocidade pela esquerda do ataque, tocou para Nathan, que encontrou Guilherme Arana em ótima assistência na grande área. De primeira, Arana finalizou rastante e com o pé esquerdo, ampliando a vantagem atleticana na partida e praticamente garantindo a vitória. Esse também foi o primeiro tento anotado por Guilherme Arana pelo Atlético em seu sexto jogo pelo clube. Com fome de gols, o time alvinegro queria balançar as redes mais vezes no jogo e teve duas grandes chances para chegar ao quarto tento no Alçapão do Bonfim. Primeiro, aos 13 minutos, Hyoran acionou Savarino pela direita do ataque e, sem ângulo, o venezuelano acertou chute preciso na meta oponente. Bastante atento, Ricardo Vilar fez linda defesa e evitou que o Galo ampliasse o marcador.

Já aos 16 minutos, o Atlético teve uma oportunidade ainda melhor em relação a anterior para fazer o quarto gol na partida. Muito participativo na partida, Nathan, desta vez, deixou Ricardo Oliveira livre na grande área em belo lançamento. Contudo, o atacante atleticano foi atropelado por Ricardo Vilar e o árbitro assinalou penalidade máxima para o Atlético. Na cobrança, o próprio Ricardo Oliveira foi para a bola, mas bateu mal e o arqueiro do Villa Nova defendeu. E como diz o velho ditado do futebol e independentemente das circunstâncias, quem não faz, leva. Aos 25 minutos e na primeira chegada ao ataque no segundo tempo, o Villa Nova diminuiu o placar depois que Laércio recebeu a bola na grande área, passou fácil pela zaga atleticana e chutou sutilmente na saída de Rafael. Antes de a bola passar sobre a linha do gol, Zé Eduardo, que acompanhava o lance e na dúvida, preferiu completar para as redes em busca de garantir o primeiro tento do Villa na partida.

Goleiro Rafael trabalhou bastante com os pés no jogo. Foto: Bruno Cantini / Agência Galo / Atlético

Depois de sofrer o gol, Jorge Sampaoli mexeu no Atlético e impôs a entrada de Marquinhos no lugar de Ricardo Oliveira na tentativa de dar mais sustentabilidade no meio-campo atleticano e assegurar a vitória. Quando o novo técnico atleticano iria promover também a aparição de Diego Tardelli no jogo, Guilherme Arana, o qual tinha recebido cartão amarelo na partida, cometeu outra falta dura e acabou sendo punido com mais um cartão amarelo e foi expulso. A entrada de Tardelli, desta forma, não aconteceu e quem acabou saindo foi Savarino e Di Santo, que deram lugares a Fábio Santos e Réver, respectivamente. Aos 29 minutos, Marquinhos, por sua vez, tentou mostrar serviço ao treinador argentino logo em sua primeira tentativa no sistema ofensivo em chute colocado de fora da área. A bola passou próxima à trave esquerda de Ricardo Vilar e o arqueiro apenas acompanhou com os olhos.

Um minuto depois, foi a vez de Pinguim, do Villa Nova, obrigar Rafael a trabalhar. Em chute potente do jogador anfitrião, o novo goleiro do Galo executou grande defesa com a ponta dos dedos e evitou o segundo gol do Villa Nova. Com o placar em 3 a 1, o Atlético somente administrou a vantagem posteriormente com um jogador a menos e agora vai enfrentar o América, no domingo que vem, às 16h, na Arena Independência, em clássico inicialmente agendado pela parte superior da tabela restando pouco para o término da primeira fase do Estadual. Já o Villa Nova, que sofreu o seu terceiro revés seguido, precisará se recuperar também no próximo domingo caso haja a partida, diante do Uberlândia, às 10h, no Triângulo Mineiro, para não ficar próximo do rebaixamento.