Rivalidade quente: Grêmio e Inter empatam em clássico de emoção, bolas na trave, brigas e expulsões

Arquirrivais gaúchos têm grandes exibições e criam muitas oportunidades em grande duelo pela Libertadores, mas as redes não balançam; jogo, contudo, termina lamentavelmente em pancadaria

Jogadores de Grêmio e Inter trocam socos e pontapés nos minutos finais da partida.
Foto: Reprodução

Do Portal Futebol Diário, em Belo Horizonte

Marco Túlio Souto

O primeiro clássico de uma das maiores rivalidades do futebol mundial pela primeira vez na história da Libertadores da América e o de número 424 no retrospecto do confronto entre Grêmio e Internacional, terminou empatado. Na noite da última quinta-feira e pelo Grupo E, os arquirrivais gaúchos não saíram de um empate sem gols em uma partida pela segunda rodada da fase de grupos recheada de oportunidades claras, bolas na trave, muita emoção e também bastante confusão entre os jogadores das duas equipes que terminou em briga generalizada e um total de oito expulsões para manchar o espetáculo na sua reta final em Porto Alegre. Com o resultado em 0 a 0, tanto Grêmio quanto Inter foram aos quatro pontos na chave e lideram o Grupo E, no entanto, o Colorado está à frente devido a um gol a mais marcado em relação ao Tricolor Gaúcho até o momento no torneio.

A festa nas arquibancadas da lotada Arena Grêmio foi contagiosa e sem violência. Em campo, a expectativa das milhões de pessoas que acompanharam o Gre-Nal era grande pelo segundo clássico entre os dois times na atual temporada em 110 anos de história. Em fevereiro passado, Internacional e Grêmio mediram forças pela semifinal do primeiro turno do Campeonato Gaúcho, e a equipe comandada pelo técnico Renato Portaluppi venceu nos acréscimos, por 1 a 0, com gol marcado por Diego Souza, de cabeça, eliminando o Inter em pleno Beira-Rio. Desta vez, o clássico teve um comportamento diferente por parte das duas agremiações em relação ao confronto do Estadual em todos os aspectos: mais luta pela posse de bola, por espaços no gramado e em todas as divididas, além de um equilíbrio em grande parte do jogo na construção de jogadas de ataque e ocasiões claras de gols.

Logo aos três minutos do primeiro tempo, Marcelo Lomba, goleiro do Internacional, evitou em uma defesa sensacional o gol do Grêmio. Após cobrança de escanteio pela direita, Diego Souza saltou mais alto que a defesa rival e cabeceou com estilo, porém, com a ponta dos dedos, o arqueiro do Inter salvou a sua equipe. O lance de ataque do Tricolor Gaúcho incendiou ainda mais a partida dentro e fora de campo, e obrigou ao mesmo tempo o Internacional também partir para o sistema ofensivo. Aos 19 minutos, assim sendo, Edenílson, volante do Inter, arriscou um petardo de fora da área e Vanderlei, goleiro do Grêmio, precisou trabalhar firme ao espalmar a bola para escanteio. Depois dessas primeiras credenciais, os dois times tinham bastante cuidado ao saírem para o campo de ataque e tudo era na base do detalhe aliado à criatividade.

Aos 32 minutos da primeira etapa, o Internacional quase fez valer uma tentativa que seria uma verdadeira obra de arte na capital gaúcha. Foi quando Guerrero deixou Boschilia livre pela esquerda da grande área e o jogador do Inter tentou encobrir Vanderlei – a tentativa, contudo, foi para fora e o Colorado desperdiçou enorme oportunidade de abrir o placar. No retorno para o segundo tempo, as duas equipes voltaram com o intuito de arriscarem mais na tentativa de sair à frente no escore e foi o que realmente aconteceu. No primeiro minuto da etapa complementar, Everton Cebolinha ‘sambou’ sobre a defesa do Inter, mas a conclusão terminou sem sucesso. Em seguida, foi a vez de Lucas Silva arriscar chute de longa distância, mas a bola passou sobre a meta de Marcelo Lomba. A outra chance construída pelo Grêmio saiu dos pés de Jean Pyerre, que entrou no lugar de Maicon e o qual tentou de fora da área estufar o barbante em um chute forte de pé direito. Marcelo Lomba, entretanto, defendeu e assegurava o empate parcial.

Percebendo o crescimento do Grêmio durante o segundo tempo, o Internacional acordou e devolveu na mesma moeda em duas oportunidades consecutivas. Primeiro, aos 23 minutos, Edenílson voltou a aparecer no jogo em uma bela atuação acertando à trave esquerda defendida por Vanderlei em um arremate rastante e extremamente preciso. Logo depois, Guerrero deixou Boschilia novamente em ótima condição pelo ataque e o jogador do Internacional carimbou à trave esquerda do Grêmio, que se safou. Em busca de sair com o triunfo de qualquer forma, o Tricolor Gaúcho construiu posteriormente quatro novas chances de balançar a rede e o clássico era naquele instante formidável pela entrega dos dois times e vontade de vencer a partida. Pepê, que saiu do banco de reservas, fez jogada individual, deixou a zaga do Inter na saudade e chutou de pé canhoto. Porém, Marcelo Lomba salvou o Internacional de novo no clássico. Em seguida, Luciano, esse que substituiu Diego Souza na etapa final, foi acionado livre no ataque e, sozinho com o goleiro visitante, tentou encobri-lo a fim de anotar um gol de placa, mas a bola passou por cima do travessão. Minutos depois, Geromel finalizou do ‘meio da rua’ e a redonda tirou tinta do travessão, diferentemente da tentativa de Lucas Silva que, após receber passe pela entrada da área, fez o mesmo travessão balançar na Arena Grêmio em belo arremate.

Duelo teve bastante equilíbrio nos 90 minutos disputados em POA. Foto: Conmebol

Quando parecia que o primeiro clássico entre Grêmio e Internacional pela Libertadores ficaria marcado pelas inúmeras chances de gols pelos dois lados e muita qualidade técnica e tática dentro das quatro linhas com Renato Gaúcho e Eduardo Couted no banco de reservas, bastou uma falta do lateral esquerdo do Inter Moisés sobre o atacante Pepê, do Grêmio, que tudo mudou e manchou o Gre-Nal. Após o lance, os dois atletas se estranharam e a confusão começou por parte dos demais jogadores de ambas as equipes ocasionando em cenas lastimáveis com pancadaria e várias expulsões do árbitro da partida. Ao todo, receberam o cartão vermelho pelo Grêmio, Pepê, Caio Henrique, Luciano e Paulo Miranda, esse último que estava no banco de reservas, enquanto foram para o ‘chuveiro’ pelo Internacional, Moisés, Edenílson, Victor Cuesta e Bruno Praxedes, esse último também no banco de suplentes. O clássico precisou ficar paralisado em 12 minutos e, depois, a bola voltou a rolar com somente oito jogadores por parte das duas equipes em campo. Na reta final, o Grêmio pressionou, mas o Inter conseguiu segurar o placar de 0 a 0 e a liderança do Grupo E pelo saldo de gols. Na terceira rodada e a qual tem data indefinida devido à paralisação da Libertadores imposta pela Conmebol por causa da pandemia do Coronavírus, o Inter jogará quando a competição retornar contra o América de Cali, no Beira-Rio. Já o Grêmio visitará a Universidad Católica, no Chile.

Fla vence e São Paulo reabilita

Na última quarta-feira, três times brasileiros foram a campo também pela segunda rodada da fase de grupos da Libertadores 2020 e somente um deles manteve 100% de aproveitamento. Atual campeão do certame, o Flamengo enfrentou o Barcelona, do Equador, diante de um Maracanã lotado e não deu chances ao time equatoriano. Com gols de Gustavo Henrique, de cabeça, aos 39 minutos do primeiro tempo e Gabigol, em cobrança de pênalti aos 45 minutos da etapa inicial, o Fla abriu vantagem para construir uma vitória pelo placar de 3 a 0. No segundo tempo, Bruno Henrique fechou a conta e ajudou o rubro-negro carioca a chegar aos seis pontos, dividindo a liderança do Grupo A ao lado do Independiente Del Valle. Com o novo triunfo, o Flamengo está agora há 11 jogos de invencibilidade na atual temporada reunindo todas as competições em disputa e segue como grande favorito por mais títulos na temporada.

Gabigol celebra tento que ajudou no triunfo rubro-negro. Foto: Alexandre Vidal/Flamengo

No mesmo horário, outra equipe brasileira não deixou a desejar e recuperou-se na Libertaodres depois de estrear com revés. Pelo Grupo D, o São Paulo superou a LDU, por 3 a 0, no Morumbi e chegou aos três pontos na chave dividindo a liderança com os demais integrantes que também somam a mesma pontuação, caso da própria LDU, além de River Plate e Binacional. Diante dos equatorianos, o Tricolor Paulista abriu o escore com Reinaldo, em cobrança de pênalti, e ampliou a diferença com Daniel Alves ainda na primeira etapa. Igor Gomes, no segundo tempo, definiu a importante vitória. Por outro lado e no Grupo C, o Athletico Paranaense não conseguiu manter a sua invencibilidade na Libertadores e perdeu para o Colo-Colo, pelo placar de 1 a 0, no Chile.