Após cair na Sul-Americana, Galo perde para o Afogados nos pênaltis e está fora da Copa do Brasil

Atlético repete mais uma vez em 2020 atuação tenebrosa e não consegue passar por novato time do interior pernambucano em novo vexame neste começo de ano

Galo acumula 4 vitórias, 4 empates e 2 derrotas em 10 jogos na temporada.
Foto: Bruno Cantini / Agência Galo / Atlético

Do Portal Futebol Diário, em Belo Horizonte

Um vexame histórico do Atlético e seu caro elenco. Mal começou o ano de 2020, o Galo já está fora de duas competições de suma importância na atual temporada e vai precisar daqui em diante se contentar somente com as disputas do Campeonato Mineiro e Campeonato Brasileiro. Na noite da última quarta-feira, o Atlético fez mais uma das péssimas atuações neste início de ano e não conseguiu vencer o ‘recém-nascido’ Afogados, no Pernambuco, pela segunda fase da Copa do Brasil 2020. No tempo regulamentar e com um jogador a mais em campo em boa parte da segunda etapa, o Galo empatou em 2 a 2, mas, nas penalidades máximas, o time da casa fundado em 2013 superou os mineiros por 7 a 6 e avançou de maneira heroica à terceira fase do torneio aliada a uma premiação de R$ 1,5 milhão. Há uma semana, o Galo não conseguiu passar pelo modesto Unión de Santa Fé, da Argentina, pela primeira fase da Sul-Americana, e a cobrança ao clube tende a ser enorme nos próximos dias pela torcida atleticana.

Sem possuir um Centro de Treinamentos e com uma folha salarial do plantel em R$ 100 mil no total, o Afogados, da Série D do Brasileirão, não teve medo diante de um dos grandes clubes da elite do futebol brasileiro e, no embalo da sua torcida, acreditou do início ao fim em uma noite histórica no Estádio Vianão, em Ingazeira, cidade de um pouco mais de 36 mil habitantes. Sob o comando técnico de Pedro Manta, o Afogados foi a campo com Wallef; Jader, Márcio, Heverton e Thalison; Diego Teles, Douglas Bomba, Eduardo Erê e Candinho; Diego Ceará e Philip. Por outro lado, o Atlético voltou a atuar com três zagueiros com Rafael Dudamel e o esquema, que havia funcionado parcialmente na última partida pela Sul-Americana, desta vez não surtiu efeito. Sem Réver e Cazares, lesionados e Diego Tardelli, o qual ainda aprimora a condição física para reestrear pelo clube, começaram pelo Galo na partida Michael; Gabriel, Maidana e Igor Rabello; Guga, Jair, Allan, Hyoran, Rómulo Otero e Guilherme Arana; Franco Di Santo.

Perante a um estádio acanhado, o Atlético sentiu-se desconfortável nos primeiros minutos da partida e não conseguia chegar ao ataque com facilidade devido, sobretudo, à falta de criatividade mais uma vez no meio de campo sem alternativas e pouco entrosamento. Aos 14 minutos de jogo, a primeira oportunidade clara de gol foi do Afogados e quase o placar era aberto. Em bela jogada de Diego Ceará, o atacante anfitrião passou com facilidade por Iago Maidana, avançou e chutou rasteiro de pé direito rente à trave de Michael para assustar a equipe alvinegra. Dois minutos depois, o Atlético conseguiu desafogar na partida e chegou ao sistema ofensivo pela primeira vez com o lateral direito Guga, o qual fez jogada individual pela grande área e arriscou finalização de pé canhoto. Contudo, o goleiro adversário defendeu com tranquilidade.

Após esse lance, o Atlético foi quem ficou próximo de inaugurar o marcador aos 18 minutos, quando Guilherme Arana executou lance individual pela esquerda do ataque, deixou a marcação na saudade e arrematou de pé direito. A tentativa do lateral esquerdo atleticano carimbou o pé da trave do Afogados e o primeiro tento alvinegro ficou mesmo no quase. No segundo tempo, o Afogados voltou a encurralar o Galo e, aos 16 minutos, a torcida anfitriã foi à loucura nas arquibancadas. Foi quando Candinho driblou Maidana e, de fora da área, acertou um chute espetacular de pé direito sem chances para Michael: golaço e 1 a 0 para o Afogados. Desesperado em campo, o Atlético avançou de qualquer forma ao ataque com a derrota parcial que o eliminaria da Copa do Brasil e voltou a tremer o travessão defendido pelo Afogados. Aos 19 minutos, o próprio Guilherme Arana acertou de novo em uma nova tentativa de finalização à trave oponente e o drama do Galo crescia.

Mas, um minuto depois, o Atlético conseguiu empatar o duelo para alívio momentâneo da equipe no gramado. Depois de cobrança de escanteio pela esquerda, a zaga do Afogados rebateu mal e a bola sobrou para o zagueiro Gabriel, que emendou para o fundo das redes e deixou tudo igual. Esse foi o primeiro tento de Gabriel em seu retorno ao Atlético após ter sido emprestado ao Botafogo e o seu quinto gol em toda a trajetória no clube. A história da partida parecia que mudaria positivamente ao Galo quando o Afogados teve também o zagueiro Márcio expulso de campo após ter recebido o segundo cartão amarelo por falta dura no meio-campo. No entanto, mesmo com um jogador a menos, o Afogados criou mais forças e conseguiu incrivelmente desempatar o jogo aos 27 minutos. Em ótima jogada individual de Philip, o jogador do Afogados passou fácil pelo sistema defensivo alvinegro e chutou rasante para fazer o segundo tento dos anfitriões: 2 a 1.

Jogadores do Atlético perfilados durante os pênaltis. Foto: Bruno Cantini / Agência Galo / Atlético

O drama do Atlético que era grande cresceu abundantemente após um novo tento sofrido e o técnico Dudamel resolveu colocar o meia Nathan, no lugar de Di Santo; o atacante Ricardo Oliveira, na vaga de Jair; além da entrada também do atacante Savarino, no lugar de Maidana. As alterações do treinador venezuelano surtiram efeito logo aos 32 minutos, depois que Ricardo Oliveira aproveitou cruzamento certeiro de Guilherme Arana pela esquerda e desviou com categoria para o fundo do barbante empatando novamente o dramático confronto. O resultado de 2 a 2 levaria a decisão da vaga à próxima fase da Copa do Brasil para os pênaltis devido ao regulamento e foi o que ocorreu posteriormente – antes do término do tempo regulamentar, o Atlético acabou perdendo Hyoran, que recebeu o cartão vermelho. Nas penalidades máximas, Allan, Nathan e Gabriel erraram e o Atlético se despede de forma humilhante da Copa do Brasil 2020. Sem tempo para lamentar muito e na quarta colocação do Campeonato Mineiro, o Atlético tem compromisso marcado para o próximo domingo, às 19h, diante do Boa Esporte, em Varginha, pela sétima rodada. Já o Afogados e bastante contente pela classificação, aguarda agora a terceira fase da Copa do Brasil e um sonho que ainda não acabou.