Brasil massacra Argentina e garante lugar nas Olimpíadas de Tóquio, no Japão

Garotos brasileiros dão verdadeiro show na Colômbia e ganham dos argentinos na última rodada para conquistarem classificação aos Jogos Olímpicos no segundo semestre

Paulinho abre a contagem brasileira no clássico contra a Argentina.
Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Do Portal Futebol Diário, em Belo Horizonte

A Seleção Brasileira de futebol está garantida nos Jogos Olímpicos de Tóquio, no Japão, que serão disputados entre 24 de julho a 9 de agosto deste ano. Pelo Torneio Pré-Olímpico da América do Sul, o Brasil conquistou a última vaga das seleções sul-americanas entre a noite desse domingo e a madrugada desta segunda-feira, ao vencer o clássico sobre a arquirrival e campeã antecipada da competição, Argentina, pelo placar de 3 a 0, na Colômbia. Para lograr tamanho êxito, a classificação dos meninos brasileiros foi suada envolvendo toda a competição, que começou em janeiro com dois grupos na primeira fase e, depois, um quadrangular final com as duas melhores seleções classificadas de cada chave. O lugar confirmado do Brasil para as Olimpíadas só ocorreu porque o time canarinho cumpriu o seu dever e, inicialmente árduo por trata-se dos ‘hermanos’, que já estavam classificados. Em caso de empate, por exemplo, o Brasil, atual campeão das Olimpíadas no futebol, ficaria de fora devido ao triunfo do Uruguai sobre a Colômbia, nesse domingo, por 3 a 1. Tanto uruguaios quanto colombianos não irão ao Japão, e o Brasil terminou a fase final do Pré-Olímpico em segundo lugar, com cinco pontos, um ponto a menos que a Argentina.

Na primeira fase, a equipe treinada por André Jardine classificou-se em primeiro lugar pelo Grupo B. Nos quatro jogos disputados, contra Uruguai, Bolívia, Paraguai e Peru, vitórias em todos os confrontos do Brasil. A Argentina, última adversária do Brasil no Pré-Olímpico, por sua vez, esteve no Grupo A durante a primeira fase e também ficou em primeiro lugar com quatro vitórias no total. Na fase final do Torneio Pré-Olímpico, a Seleção Brasileira estreou diante da Colômbia e conheceu o seu primeiro empate no certame, em 1 a 1. Depois, o time brasileiro recheado de jogadores conhecidos por grande parte dos torcedores dos clubes brasileiros, voltou a empatar e de novo pelo placar de 1 a 1, desta vez contra o Uruguai. Para classificar às Olimpíadas, era obrigatório que o Brasil vencesse a Argentina, equipe até então invicta no campeonato.

E o único invicto no Pré-Olímpico Sul-Americano 2020 terminou sendo a Seleção Brasileira. Com uma atuação espetacular e insinuante, o Brasil não tomou conhecimento dos argentinos e massacrou os ‘hermanos’ em todos os aspectos. O time titular brasileiro que entrou em campo para superar a Argentina teve Ivan; Guga, Bruno Fuchs, Ricardo e Caio Henrique; Bruno Guimarães, Matheus Henrique e Pedrinho; Reinier, Paulinho e Matheus Cunha. Desse atletas, Ivan, atua na Ponte Preta; Guga, no Atlético-MG; Bruno Fuchs, no Internacional; Ricardo, no Vasco da Gama; Caio Henrique, no Grêmio; Bruno Guimarães, no Lyon; Matheus Henrique, no Grêmio; Pedrinho, no Corinthians; Reinier; no Real Madrid; Paulinho, no Bayer Leverkuse; e Matheus Cunha, no Hertha Berlim. Durante o Torneio Pré-Olímpico, Bruno Guimarães e Reinier ainda eram jogadores de Athletico Paranaense e Flamengo, respectivamente, mas foram negociados ao futebol europeu.

O primeiro tempo no Estádio Alfonso Álvarez parecia, em princípio, que a Argentina traria dificuldades ao Brasil. Com apenas dois minutos de jogo, Mac Allister cobrou falta com efeito e a bola tirou tinta da trave esquerda do goleiro Ivan, titular da posição brasileira em relação a Cleiton, arqueiro do Atlético-MG e que está próximo de ser anunciado oficialmente como novo jogador do Bragantino. Depois desse lance, a Seleção Brasileira jogou em ritmo de música e tomou conta das ações do duelo. Com toque de bola refinado, movimentação, deslocamento, profundidade, bastante posse da pelota e futebol ousado, o Brasil fazia a Argentina correr de um lado para o outro até encontrar espaços cruciais para marcar o primeiro tento. Sob o talento do meia Pedrinho, do Corinthians, a difícil brecha na defesa argentina foi encontrada pela Seleção Brasileira. Em assistência genial do pé esquerdo do meio-campista, ele deixou Paulinho em ótima condição na grande área. Com oportunismo, o atacante, ex-Vasco, dominou a bola no peito e arrematou para o fundo da rede, aos 12 minutos, para inaugurar o placar: 1 a 0 Brasil.

O gol da Seleção Brasileira deixou evidente que o jogo estava nas mãos do time de André Jardine com a Argentina mal tocando na bola e sendo profundamente encurralada em seu campo defensivo. Aos 22 minutos, o segundo tento canarinho quase saiu através dos pés de Matheus Cunha, que aproveitou cruzamento rasante de Caio Henrique e acertou o travessão da Argentina para deixar os ‘hermanos’ mais perdidos em campo. Mas, aos 29 minutos, o Brasil praticamente deixou grogue o time argentino, quando o zagueiro Nehuén Pérez tentou atrasar a bola pela defesa ao seu goleiro, e a tentativa de recuo saiu mal feita. Esperto na jogada, Mathus Cunha, desta vez, não teve perdão e ainda tirou onda. Ele dominou a bola, avançou e chutou. Na finalização, Pérez ainda conseguiu salvar o arremate em cima da linha mas, no rebote, Matheus Cunha fez questão de chutar a bola no próprio zagueiro argentino, o qual estava dentro do gol, para afundá-lo na rede e aumentar a vantagem brasileira.

Matheus Cunha celebra mais um gol do Brasil com André Jardine. Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Com muito apetite por gols, o Brasil não cansava de criar mais oportunidades e colocava a Argentina no bolso. Aos 33 minutos, Matheus Cunha quase ampliou o marcador em chute cruzado e próximo à trave esquerda adversária. Dois minutos depois, a Seleção Brasileira teve excelente chance de fazer o terceiro, mas Reinier, ex-Flamengo, vacilou. Em rápido contra-ataque puxado pelo próprio atacante, que driblou a defesa da Argentina, ele escapou livre em velocidade pelo lado esquerdo do ataque e ficou frente a frente com o goleiro oponente. Ao seu lado pela direita, encontrava-se Paulinho, porém, Reinier não tocou a bola, atrasou-se no lance e foi interceptado pela defesa argentina, a qual evitou mais um gol brasileiro. Mas o sistema defensivo ‘hermano’ não conseguiu, posteriormente, impedir que o terceiro tento brasileiro ocorresse logo aos nove minutos do segundo tempo.

Inteligentemente, o lateral direito Guga, do Galo, percebeu a defesa adversária desprevenida e cobrou lateral rápido buscando Matheus Cunha no ataque. Em jogada veloz e bem trabalhada no setor ofensivo, Matheus Cunha tabelou com Reinier, que devolveu a bola açucaradamente ao seu companheiro. Com finalização rasteira e forte, Matheus Cunha voltou a superar o goleiro Cambeses e ainda cedo, sacramentou a classificação da Seleção Brasileira. Almejando ampliar o escore e na busca por uma goleada sobre a Argentina, o técnico André Jardine realizou três alterações na equipe e colocou em campo Pepê, atacante do Grêmio; Bruno Tabata, meio-campista do Portimonense; e o volante Maycon, do Shahthar Donetsk, da Ucrânia. As entradas desses três jogadores foram nos lugadores de Reinier, Pedrinho e Matheus Cunha, respectivamente. O parâmetro do Brasil não mudou tanto e a Seleção Brasileira teve chances de fazer o quarto gol com Paulinho, que acertou o travessão, além de Pepê e Matheus Henrique. Mas a vitória terminou mesmo em 3 a 0 e com bastante festa do time brasileiro, que irá participar pela 14ª das Olimpíadas na história. Até então, no futebol masculino, o Brasil possui uma Medalha de Ouro, em 2016, duas Medalhas de Prata, em 1984, 1988 e 2012, e duas Medalhas de Bronze, em 1996 e 2008.