Pênalti perdido e derrota feia: Galo vai precisar de um grande placar para avançar na Sul-Americana

Atlético sofre o seu primeiro revés em 2020 e na era Dudamel, e situação fica complicada para a equipe alvinegra; Allan e Réver têm péssima noite

Marquinhos ganha oportunidade pelo Galo, mas não fez boa partida. Foto: Conmebol

Do Portal Futebol Diário, em Belo Horizonte

A sequência sem vitórias do Atlético aumentou neste começo de temporada 2020. Irreconhecível, o Galo foi derrotado na noite dessa quinta-feira, pela partida de ida da primeira fase da Sul-Americana, e necessitará de um milagre no jogo de volta, agendado para o dia 20 deste mês, no Independência, para continuar na disputa da competição mais cobiçada pelo clube neste ano que dará ao vencedor a taça, valor em dinheiro e uma vaga direta na Libertadores do ano que vem. Diante do Unión de Santa Fé, na Argentina, o time atleticano não foi páreo para os ‘hermanos’, os quais não atravessam momento positivo no Campeonato Argentino, e o primeiro revés na era Dudamel não demorou. Com uma péssima atuação do sistema defensivo e um pênalti não convertido no fim da partida, o Galo perdeu pelo placar de 3 a 0, e somente um triunfo por quatro ou mais gols de diferença classificará o Atlético diretamente à segunda fase da Copa Sul-Americana. Já uma eventual vitória do Galo por 3 a 0, no Horto, levará a decisão da vaga para as penalidades máximas. Por outro lado, o Unión de Santa Fé chegará a Belo Horizonte podendo perder por até dois gols que avançará à segunda fase do torneio.

Mas não foi apenas o setor de defesa que deixou a desejar pelo Atlético na noite passada na Argentina. Com uma mudança no sistema ofensivo, o técnico Rafael Dudamel apostou no jovem meio-campista Marquinhos, no lugar de Edinho, no entanto, nada mudou para melhor perante os argentinos. O Galo entrou em campo com Michael; Maílton, Réver, Gabriel e Fábio Santos; Zé Welison, Jair, Allan, Hyoran e Marquinhos; Di Santo. A novidade do Atlético para a partida, além da aparição de Marquinhos entre os onze iniciais, foi a presença do recém-contratado e lateral esquerdo, Guilherme Arana, no banco de reservas. Também estiveram entre os suplentes, por exemplo, o goleiro Victor; o zagueiro Igor Rabello; o lateral direito Patric; os meias Nathan e Dylan Borrero; e os atacantes Edinho e Ricardo Oliveira.

Bastante atento e motivado desde os primeiros movimentos de jogo, o Unión de Santa Fé surpreendeu o Galo logo aos quatro minutos do primeiro tempo para mudar automaticamente toda a estratégia atleticana no confronto. Após cobrança de lateral pela esquerda até a grande área, o atacante Walter Bou dominou de costas para a zaga alvinegra, girou com estilo sobre a marcação e fuzilou o gol defendido por Michael, com o pé canhoto, para abrir o placar no Estádio 15 de Abril. O primeiro tento dos anfitriões levou os torcedores do Unión de Santa Fé à loucura nas arquibancadas e a pressão aumentou positivamente ao time mandante da partida. Inicialmente assustado e pouco produtivo, o Atlético mal conseguia construir ocasiões ofensivas e, sem ideias, parava no bloqueio do Unión.

Com Marquinhos, Hyoran e Franco Di Santo pouco inspirados, as melhores chances ofensivas seguiam com a equipe da casa. Na reta final da primeira etapa, bastou um contragolpe fulminante encaixado pelo ataque do Unión de Santa Fé para o marcador ampliar na Argentina. Desta vez, Walter Bou agiu como assistente e realizou um belo lançamento em profundidade para Cabrera. Veloz, o jogador do Unión de Santa Fé deixou a defesa atleticana toda para trás e encheu o pé, com a perna direita, acertando com muita força o ângulo esquerdo de Michael, o qual não conseguiu evitar que a sua rede balançasse pela segunda vez no duelo. Com 2 a 0 no vestiário, o Atlético precisava mudar a sua postura na volta para o segundo tempo, algo que não aconteceu e o pior viria ocorrer para o Galo e seu torcedor.

Logo aos seis minutos da etapa complementar, a defesa atleticana voltou a vacilar e o Unión de Santa Fé não perdoou. Com Carabajal, que recebeu lançamento na grande área, os argentinos fizeram o terceiro tento em arremate preciso do jogador e deixou a situação do Atlético mais complicada visando a partida de volta, em BH. Na tentativa de mudar alguma coisa no rendimento do time em campo, o técnico Rafael Dudamel fez três alterações no Galo e substituiu Jair, Hyoran e Fábio Santos por Dylan Borrero, Edinho e o estreante da noite Guilherme Arana, respectivamente. As mudanças, contudo, não mudaram tanto o parâmetro dos brasileiros e o Atlético seguia com sérias dificuldades de atacar o seu adversário, bastante seguro com o resultado e administrando a excelente vantagem. Nas estatísticas, o Galo também era inferior com menos tentativas de chutes a gol, por exemplo, com 14 a 9 a favor dos argentinos.

Jogadores do Unión de Santa Fé comemoram efusivamente gol sobre o Atlético.
Foto: Conmebol

O Atlético não conseguia reagir e ainda contava com a sorte depois que o Unión de Santa Fé desperdiçou várias chances reais de estufar o barbante deixando o escore permanecendo mesmo em 3 a 0. Porém, uma luz no fim do túnel apareceu para o Atlético nos minutos finais de jogo, quando a arbitragem assinalou pênalti para o Galo. Com a oportunidade de diminuir o prejuízo e trazer para Belo Horizonte uma desvantagem menor, o volante Allan chamou a responsabilidade e foi para a batida. Em cobrança telegrafada, o jogador atleticano errou a penalidade defendida pelo goleiro do Unión, Moyano, algo que abalou substancialmente o time alvinegro. A noite do Atlético era mesmo péssima e a expulsão de Allan também comprovou isso – depois de perder o pênalti, o volante recebeu cartão vermelho ao precisar fazer uma falta próxima da grande área para evitar um eventual quarto gol do Unión. Agora, o Galo volta a pensar no Campeonato Mineiro, competição a qual figura em segundo lugar depois de dois empates consecutivos diante de Coimbra e Tombense, no Horto. Neste domingo, o Atlético visita a URT, às 18h, em Patos de Minas. Já o Unión, em contrapartida, vai buscar uma reabilitação no campeonato nacional diante do River Plate, no Estádio 15 de Abril, também neste domingo, mas às 21h45 (de Brasília).