Real volta a vencer o Atlético nos pênaltis na história recente e é campeão da Supercopa da Espanha

Depois de um placar sem gols durante 120 minutos, rivais de Madrid disputam taça nas penalidades e merengues levam a melhor novamente

Vinícius Júnior entrou na prorrogação da partida no lugar de Kroos. Foto: Reprodução/Internet

Do Portal Futebol Diário, em Belo Horizonte

O filme voltou a se repetir em uma final envolvendo os arquirrivais da capital da Espanha, Real Madrid e Atlético de Madrid. Neste domingo, os dois clubes disputaram o título da Supercopa da Espanha e o Real tornou-se o primeiro campeão do torneio em seu novo formato, de quatro equipes em disputa. Isso porque, nas semifinais, Atlético de Madrid e Real Madrid eliminaram, respectivamente, Barcelona, campeão do Campeonato Espanhol e Valencia, vencedor da Copa do Rei, ambos atuais campeões nacionais na Espanha. A decisão entre os madrilenhos aconteceu em Jibá, na Arábia Saudita, e o mesmo ocorreu como na final que os dois clubes disputaram na década passada pela Champions League, em 2016. Nos pênaltis, o Real Madrid superou o Atlético depois de um placar em 0 a 0 no tempo regulamentar e na prorrogação, e chegou ao seu 11º caneco na história da Supercopa da Espanha, estando atrás ainda do Barça, maior campeão do torneio com 13 conquistas.

Além do triunfo sobre o Atlético de Madrid, o Real devolveu a decisão perdida para os colchoneros, em 2012, pela Supercopa da Espanha. Na ocasião, o Atlético ganhou do Real em final de ida e volta, em Madrid, e venceu naquela oportunidade a primeira decisão entre ambos desse certame. E tudo voltou a acontecer mais uma vez nos detalhes neste embate em 120 minutos de bola rolando. No primeiro tempo, os dois times tiveram boas chances de gols, mas pararam nas intervenções dos goleiros Oblak, do Atlético de Madrid e Courtois, do Real Madrid. Pelo Real, Casemiro, Jovic e Modric assustaram primeiro. Já pelo Atlético, João Félix, Morata e Saúl tentaram estufar a rede adversária.

No segundo tempo, a postura dos dois times foi diferente em relação à primeira etapa. Mais estratégicos e precavidos, Real e Atlético de Madrid tiveram cada somente uma oportunidade de perigo para buscarem abrir o placar. Quem assustou primeiro foi Álvaro Morata, que recebeu lançamento pela direita da grande área e arrematou firme, de pé direito. Com os joelhos, Courtois salvou o Real Madrid. Logo, o Real Madrid agrediu a meta oponente, porém, Oblak evitou o tento merengue. Apostando em jogadas pelos lados do ataque, o técnico do Real Madrid, Zinedine Zidane, apostou nas entradas dos jovens brasileiros Rodrygo e Vinícius Júnior para a prorrogação, mas o marcador não foi alterado – algo que quase ocorreu pelo Atlético quando Morata saiu na cara do gol, contudo, Valverde cometeu falta dura e foi expulso. Nos pênaltis, Carvajal, Rodrygo, Modric e Sergio Ramos fizeram para o Real Madrid, enquanto Saúl, em arremate na trave e Thomas Partey, após defesa de Courtois, definiram o placar em 4 a 1 para o Real. Este é o primeiro título de Zidane desde que retornou ao Real Madrid.