Ruídos na diretoria causam crise política no Flamengo; já Pedro Rocha se encanta com o Ninho

Demissão curiosa de gerente de futebol deixa clima agitado nos bastidores da Gávea; por outro lado, atacante chega e quer mostrar serviço

Pedro Rocha vai precisar apresentar grande futebol para conquistar espaço no Fla.
Foto: Marcelo Cortes/Flamengo

Do Portal Futebol Diário, em Belo Horizonte

Marco Túlio Souto

Atual campeão da Libertadores, do Campeonato Brasileiro, do Campeonato Carioca e vice-campeão Mundial, o Flamengo com seu elenco profissional ainda está de férias descansando e relaxando bastante após um ano de 2019 super vitorioso e exaustivo. Mas, mesmo com tantas conquistas recentes e esbanjando um fator financeiro muito positivo após um faturamento na casa de R$ 1 bilhão ao fim da última temporada, o clube não atravessa em sua esfera política um momento de paz neste começo de 2020. Isso porque, o gerente de futebol, Paulo Pelaipe, não faz mais parte da diretoria do Flamengo, algo que causa neste momento bastante turbulência interna e desconforto na instituição. A saída de Pelaipe do rubro-negro carioca, confirmada pelo mesmo na última terça-feira, deve-se ao não vínculo contratual do dirigente renovado com o Flamengo, o qual teve seu vencimento em 31 de dezembro de 2019. “Quando sugeri ao Marcos Braz a contratação do técnico Jorge Jesus, ele confiou na minha indicação e isso foi determinante para o sucesso da vinda do mister e tudo deu muito certo. O trabalho desenvolvido pelo treinador e os resultados demonstram isso. Saio com a certeza de ter cumprido meu papel e agradeço pela oportunidade”, diz Paulo Pelaipe, por meio de uma nota oficial.

Era esperado nos bastidores do clube a permanência de Paulo Pelaipe para a temporada 2020, uma vez que o vice-presidente de futebol, Marcos Braz, não o comunicou sobre uma eventual saída. A demissão de Pelaipe do Fla aconteceu via e-mail do Recursos Humanos (RH) do Flamengo e o clube, que estava antes em estado de êxtase por vitórias e títulos, agora tenta controlar uma ‘panela de pressão’ dentro de casa. Atualmente, o conselho diretor do Flamengo é composto por um presidente, 19 vice-presidentes e dois diretores. O presidente do clube é Rodolfo Landim e o Fla possui um conselho de futebol com seis membros, sendo os principais, Marcos Braz (vice-presidente de futebol), Luiz Ricardo Batista (vice-presidente de relações externas), Bruno Spindel (diretor de futebol), Gabriel Skinner (supervisor), além de Fábio Palmer, Diogo Lemos, Marcelo Roisman e, antes, compondo a lista, Paulo Pelaipe.

A saída de Paulo Pelaipe acaba causando um racha político no Flamengo, já que Marcos Braz e Bruno Spindel, os quais vinham buscando supostamente encaminhar a renovação de contrato de Pelaipe, eram a favor da permanência do agora ex-gerente de futebol do clube na Gávea. Ainda não se sabe oficialmente quem indicou e pediu a rescisão contratual de Paulo Pelaipe, no entanto, a saída do dirigente tem maiores possibilidades de uma decisão obtida por instâncias superiores do clube. Enquanto os bastidores na política do Flamengo estão fervorosos, no campo, a tranquilidade segue prevalecendo. Primeira contratação oficial confirmada para a temporada 2020, o atacante Pedro Rocha já conheceu as instalações do Ninho do Urubu e se encantou com a estrutura de treinamentos do Flamengo. Com contrato de empréstimo assinado até o fim deste ano, Pedro Rocha pertence ao Spartak Moscou e estava no Cruzeiro em 2019, ano que acabou sendo rebaixado com a Raposa para a segunda divisão do Campeonato Brasileiro.

Pelo Cruzeiro, Pedro Rocha atuou em 33 partidas e marcou um total de quatro gols. No futebol brasileiro, a sua melhor passagem que resultou em uma oportunidade de atuar posteriormente no futebol russo aconteceu no Grêmio, quando foi campeão da Copa do Brasil, em 2016. Além de Pedro Rocha, que chega para disputar posição no ataque do Flamengo, o rubro-negro carioca já garantiu também a contratação do zagueiro Gustavo Henrique, ex-Santos. Ambos os jogadores vão participar da pré-temporada do Flamengo, que começou nesta semana em preparação para a Taça Guanabara – torneio que Fla vai utilizar os atletas do Sub-20 com os novos reforços devido a reapresentação do plantel profissional estar agendada para o dia 21 de janeiro, um dia antes de um clássico contra o Vasco.

Ao passo que o Flamengo busca ainda incorporar o seu elenco para a temporada 2020 que promete ser muito longa com seis taças a disputar de início, o clube não sabe ainda (até o fechamento desta reportagem) qual desfecho será da ‘novela’ Gabigol, artilheiro do time em 2019 com 43 gols marcados e que teve seu contrato de empréstimo encerrado no dia 31 de dezembro com o rubro-negro carioca. Gabigol pertence à Inter de Milão e, para ficar no Ninho do Urubu, as duas partes precisarão entrar em acordo aliada ao desejo também do jogador em permanecer no Flamengo. Gabigol, por sua vez, teria propostas de Chelsea e West Ham, da Inglaterra, fatores que retardam ao mesmo tempo junto com a turbulência política a um eventual acerto com o Flamengo. Mas, como no futebol tudo é dinâmico, o rubro-negro segue trabalhando no mercado da bola e um nome forte para reforçar o plantel neste ano é o disputado e valorizado atacante Michael, do Goiás. Destaque do time esmeraldino no ano passado, Michael pode pintar na Gávea caso os dois clubes acertem a transferência.