Com Eliminatórias no horizonte e adversários da Copa América definidos, Tite vai ter 2020 mais desafiador

Treinador termina 2019 ainda sendo questionado pelo seu trabalho como técnico da Seleção Brasileira e próximo ano guarda maior pressão por melhor futebol e resultados

Tite vai ter como uns dos desafios trazer mais alegrias ao Canarinho e recuperar Neymar. Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Do Portal Futebol Diário, em Belo Horizonte

Marco Túlio Souto

Atual campeã da Copa América, a Seleção Brasileira já sabe quem vai enfrentar na próxima edição do torneio em 2020 que vai ser disputado entre 12 de junho a 12 de julho, na Argentina e na Colômbia, algo que não acontecia desde 1983 na disputa da competição sediada por dois países. Em sorteio realizado na última terça-feira em Cartagena, o Brasil caiu no Grupo B e terá como adversários Colômbia, Equador, Peru, Catar e Venezuela. A estreia da Seleção Brasileira está agendada para o dia 14 de junho, contra a Venezuela. Depois, o Brasil enfrentará Peru (18/06), Catar (23/06), Colômbia (27/06) e Equador (01/07). Já no Grupo A, Argentina, Austrália, Bolívia, Chile, Paraguai e Uruguai formam a chave. A estreia dos ‘hermanos’ comandados por Lionel Messi será contra o Chile, no dia 12 de junho. Os quatro melhores classificados dos dois grupos classificam-se às quartas de final. A final da Copa América está marcada para o dia 12 de julho, em Barranquilla, na Colômbia.

Este vai ser um dos grandes desafios do técnico Tite em 2020 sendo o treinador do atual campeão do torneio, já que a Seleção Brasileira, além disso, disputará também a partir do ano que vem as Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022, no Catar. Elas vão começar no dia 23 de março e, em 2020, serão oito rodadas, encerrando com mais dez rodadas no ano de 2021 terminando no dia 16 de novembro antes do ano da Copa, que vai ser disputada entre novembro e dezembro, diferentemente da forma habitual devido às condições climáticas no Oriente Médio. Assim, a tarefa para Tite promete não ser fácil até a Copa do Mundo e vai exigir da sua Seleção maior regularidade, algo que não aconteceu após o título da Copa América, em 2019, no Brasil.

Depois da nona conquista na história da principal competição de seleções da América do Sul, perdendo em números de títulos para Uruguai (14 títulos) e Argentina (13 títulos), a Seleção Brasileira teve neste segundo semestre um rendimento abaixo do esperado e mais resultados negativos que positivos, com apenas uma vitória, três empates e duas derrotas. O último e único triunfo do Brasil pós Copa América foi em novembro, sobre a Coreia do Sul, depois de ter perdido o clássico para a Argentina, em amistosos disputados nos Emirados Árabes e Arábia Saudita, respectivamente. O outro revés da Seleção Brasileira foi para o Peru, ainda em setembro passado. Já os empates aconteceram contra Colômbia, Nigéria e Senegal. Desses amistosos, Tite contou com Neymar, seu camisa 10, em apenas duas oportunidades e tem como um dos grandes desafios na preparação e nos duelos importantes visando à próxima Copa do Mundo resgatar Neymar e o seu melhor nível. Em 2019, o jogador ficou de fora da Copa América e de outras partidas devido a lesões, algo que em 2020 Tite espera uma história diferente.

Copa América 2020 com chaves definidas. Créditos: Conmebol