Cruzeiro sofre goleada de virada para o Santos e pode terminar a rodada na zona de rebaixamento

Peixe humilha Raposa, garante vaga direta na Libertadores de 2020 e assume a vice-liderança provisória do Brasileirão; já o time celeste vai precisar ‘secar’ adversários

Marinho (E) teve bela atuação e ajudou o Santos a sair com a vitória sobre o apático Cruzeiro.
Foto: Reprodução/Santos FC

Do Portal Futebol Diário, em Belo Horizonte

Marco Túlio Souto

A maré está péssima para o Cruzeiro e o risco do rebaixamento passa a ficar cada vez maior ao time celeste restando agora para o clube quatro partidas para o término do Brasileirão 2019. Na noite desse sábado, pela abertura da 34ª rodada do Campeonato Brasileiro, a Raposa não foi párea para o Santos e acabou sendo goleada, de virada, pelo placar de 4 a 1, debaixo de chuva na Vila Belmiro. A derrota cruzeirense foi a 12ª em toda a competição e a segunda da equipe sob o comando técnico de Abel Braga, que não perdia há quase dois meses no Brasileirão e mantinha até antes de a bola rolar no litoral paulista uma invencibilidade de onze jogos no certame, mas com somente três vitórias e uma série de empates. Com 36 pontos, o Cruzeiro precisa urgentemente torcer por uma derrota do Fluminense diante do CSA-AL, em Maceió, nesta segunda-feira, para se manter fora da degola. Por outro lado e em situação completamente diferente, o Santos, do técnico Jorge Sampaoli, chegou ao seu 20º triunfo no Brasileirão e assume provisoriamente a segunda colocação do campeonato com 68 pontos, empatado com o Palmeiras, mas acima neste instante pelo número maior de vitórias. O time alviverde, contudo, vai atuar neste domingo, contra o Grêmio e pode retornar a vice-liderança em caso de vitória no duelo.

O ‘chocolate’ do quase imbatível Santos em seu estádio com somente duas derrotas em 2019, estava aparentemente previsto desde os primeiros movimentos do jogo pela intensa agressividade ofensiva e produção de todo o ataque, principalmente pelos lados com Soteldo e Marinho. Com algumas mudanças no time titular, mas que pouco acrescentaram na equipe celeste, Abel Braga não foi novamente feliz em suas escolhas ao impor as escalações de Egídio, na lateral esquerda e Robinho, no meio de campo, além da manutenção de David e Sassá no ataque. A primeira chance do duelo, deste modo, foi do time que buscou desde o início o gol adversário pela necessidade também pela vitória. Em lance individual pela direita, Marinho deixou Egídio na saudade e arrematou firme de pé canhoto. O chute foi forte e para fora, mas já passava a assustar o fragilizado time visitante.

Em seguida e impondo uma ‘blitz’ ao Cruzeiro, o Santos quase abriu o marcador depois de cruzamento de Carlos Sánchez e desvio de Eduardo Sasha. Fábio, em dois tempos, salvou a Raposa. O Cruzeiro tinha dificuldade de sair do campo defensivo e tentava utilizar David pela esquerda do ataque na tentativa de encontrar uma brecha na zaga oponente. Quando a troca de passes funcionou de maneira eficaz pelo time celeste, o desfecho não poderia ser outro. Tudo começou depois que Orejuela passou a bola para Robinho, que tocou para Thiago Neves. Pela direita do sistema ofensivo, o camisa 10 cruzeirense acionou rápido Orejuela, o qual recebeu o passe, driblou a zaga do Santos e, com o pé esquerdo, finalizou rasteiro sem chances para Everson para abrir o placar na Vila Belmiro: 1 a 0 Cruzeiro e alívio momentâneo.

A alegria da Raposa durou muito pouco na Vila. Ainda superior mesmo depois de sofrer o primeiro tento, o Santos tinha extrema facilidade de passar pelo sistema defensivo do Cruzeiro e assim aconteceu aos 22 minutos da primeira etapa. Após jogada de Marinho pela direita, ele descobriu Carlos Sánchez, que alçou a bola à meia altura para Evandro na marca do pênalti. Com tranquilidade, o meia serviu como garçom Eduardo Sasha, o qual chutou colocado de primeira e empatou o jogo para festa da torcida do Peixe: 1 a 1. Minutos depois de igualar o marcador, o Santos produzia ocasiões sucessivas e teve outras grandes oportunidades de virar o duelo com Carlos Sánchez, Soteldo e Marinho, esse último que acertou à trave defendida por Fábio.

No retorno para o segundo tempo, o Cruzeiro voltou pior com inúmeras deficiências defensivas e também ofensivas, em mais uma péssima partida de Thiago Neves, que nada conseguia construir para os seus companheiros de ataque e errava um passe atrás do outro. Com a estratégia de explorar o lado esquerdo da Raposa ocupada por Egídio, o Santos virou o jogo com um belo gol de Marinho. Aos 14 minutos, após belo lançamento preciso da defesa para o ataque, o atacante santista recebeu a bola em velocidade, conduziu com maestria e passou fácil por Egídio para arrematar colocado, com o pé esquerdo, no fundo da rede e sem defesa para Fábio: 2 a 1. O gol de Marinho abalou bastante o psicológico do time cruzeirense e o jogo dava indício de goleada. O atropelo nas estatísticas gerais, com o total de 25 tentativas a gol do Santos contra 9 da Raposa, traduziria em mais bola na rede na sequência. O terceiro tento veio quatro minutos mais tarde, desta vez com o venezuelano Soteldo, o qual aproveitou cruzamento rasteiro e, livre de marcação diante de uma defesa aberta do Cruzeiro, completou tranquilo para aumentar a vantagem santista.

Sem reação, o técnico Abel Braga tirou Thiago Neves, Robinho e Sassá, e apostou em Marquinhos Gabriel, Ezequiel e Joel no andamento da etapa final. No entanto, nada mudou e o time cruzeirense já estava praticamente entregue ao resultado. Ele ainda aumentou para aumentar o vexame do Cruzeiro na Vila Belmiro, que ouvia da torcida do Santos cânticos de “segunda divisão”. Nos minutos finais, aos 44 minutos da etapa complementar, o goleiro Fábio não conseguiu segurar uma forte cobrança de falta e, na sobra, Diego Pituca aproveitou e concluiu a goleada e a classificação do Santos de forma direta para a Libertadores de 2020. Agora, o Cruzeiro, além de precisar não só torcer contra o Fluminense, necessita também de contar com a sorte por derrotas de Botafogo e Ceará nesta rodada, os quais vão encarar Corinthians e São Paulo ambos em casa, respectivamente. Sem vencer há mais de um mês, a Raposa voltará a campo na próxima quinta-feira, diante de outro desesperado, CSA-AL, às 21h30, no Mineirão. Por outro lado, o Peixe visitará o Fortaleza, também na próxima quinta-feira, mas às 20h, no Castelão e com o desafio de tentar terminar o Brasileirão pelo menos sendo vice-campeão.