Sem vencer desde julho, Seleção Brasileira busca encerrar série negativa e futebol improdutivo

Bastante pressionado, time do Brasil fecha ano de 2019 em amistoso contra equipe asiática e quer acabar com péssima sequência desde o título da Copa América

Seleção vai ter alterações nos onze iniciais na tentativa de mudar panorama.
Lucas Figueiredo/CBF

Belo Horizonte, 18/11/2019 – Portal Futebol Diário

Marco Túlio Souto

Em clima de muita pressão pelo resultado e cobrança por um futebol mais brilhante, a Seleção Brasileira volta a campo nesta terça-feira, às 10h30 (de Brasília), contra a Coreia do Sul, nos Emirados Árabes Unidos, em sua última partida de 2019 na preparação para as Eliminatórias da próxima Copa do Mundo, que começam em março do ano que vem. Depois de derrota e rendimento abaixo da média diante da Argentina de Lionel Messi, pelo placar de 1 a 0, na última sexta-feira, a Seleção vive o seu pior momento no ano após o título da Copa América conquistado em julho passado e necessita retomar o caminho das vitórias para não terminar o ano em extrema turbulência.

Desde o caneco da Copa América no Brasil, são cinco partidas sem vitória do time do pressionado técnico Tite. Além da derrota para a Argentina, a Seleção Brasileira perdeu anteriormente para a Seleção do Peru, e empatou outros três jogos, contra Colômbia, Senegal e Nigéria. Para colocar fim nessa sequência negativa de amistosos neste segundo semestre, o treinador da Seleção Brasileira vai fazer cinco alterações no time titular em relação ao revés para os ‘hermanos’ na tentativa de melhorar o comportamento em campo de sua equipe e impor maior produtividade na partida, uma vez que as mudanças se devem aos rendimentos ruins de jogadores no último duelo aliadas também aos desgastes físicos de cada atleta.

Das cinco substituições, duas vão ser na defesa, com as saídas do zagueiro Thiago Silva e do lateral esquerdo Alex Sandro, para as entradas de Marquinhos e Renan Lodi, respectivamente. As demais alterações vão ocorrer no meio de campo e ataque. Pelo centro defensivo do campo, o volante Casemiro vai dar lugar ao volante Fabinho. Quem também entra no setor de meio-campo nos onze iniciais contra os coreanos, mas um pouco mais à frente em relação ao Superclássico das Américas, é o meio-campista Philippe Coutinho, o qual foi reserva, na vaga de Willian. Já no sistema ofensivo, Tite vai impor a aparição do atacante Richarlison, no lugar de Roberto Firmino.

Assim, diante da Coreia do Sul, a Seleção Brasileira vai ser escalada com Alisson; Danilo, Éder Militão, Marquinhos e Renan Lodi; Fabinho, Arthur, Lucas Paquetá e Philippe Coutinho; Richarlison e Gabriel Jesus. Adversária do Brasil, a Coreia do Sul vem de dois empates sem gols no ano, contra Coreia do Norte e Líbano, respectivamente, e também chega para o duelo amistoso com fome de vitória. A última vez que Brasil e Coreia do Sul mediram forças foi em 2013 e com triunfo brasileiro, pelo placar de 2 a 0, em amistoso disputado na cidade de Seul. No retrospecto geral das duas seleções na história do futebol, são 4 vitórias do Brasil e 1 triunfo da Coreia do Sul, esse que aconteceu há 20 anos.