Monumental de Nuñez, enfim, vai receber o clássico entre River e Boca pela Libertadores

Com ônibus do Boca Juniors blindado desta vez, superclássico argentino volta a ocorrer no estádio do River Plate pela semifinal do maior torneio de clubes de América do Sul

River e Boca mediram forças há um mês no Monumental. Foto: Facebook/Boca Juniors

Belo Horizonte, 01/10/2020 – Portal Futebol Diário

Quase um ano depois, River Plate e Boca Juniors voltam a se enfrentar pela Libertadores da América após decidirem o título da maior competição de clubes da América do Sul em dezembro de 2018. Nesta terça-feira, às 21h30 (de Brasília), os dois rivais argentinos medem forças pela partida de ida das semifinais da Libertadores, no Monumental de Nuñez, em Buenos Aires, com sabor de revanche para o Boca Juniors e reencontro do River Plate diante do seu maior rival pelo torneio atuando no seu habitat. O Monumental de Nuñez, casa do River e que sediaria o segundo jogo da final do ano passado, acabou sendo interditado na ocasião pela Conmebol devido ao ato de violência por parte dos torcedores do River Plate na chegada do ônibus do Boca apedrejado nas redondezas do estádio. A finalíssima acabou acontecendo no Santiago Bernabéu, estádio do Real Madrid, na Espanha, onde o River Plate também se sentiu confortável e derrotou seu arquirrival por 3 a 1, na prorrogação.

A Argentina vai parar nesta nova disputa dos clubes mais populosos do país – o Boca possui 16,4 milhões de torcedores e o River 12,6 milhões de aficionados. Mas o Brasil também está de olho e não só por causa de uma das maiores rivalidades e clássicos do futebol mundial, mas por envolver também na outra semifinal da Libertadores um confronto brasileiro, entre Grêmio e Flamengo, que duelam nesta quarta-feira, às 21h30, também pelo jogo de ida das semifinais, em Porto Alegre.

Apesar de um desejo de vingança por parte do Boca Juniors dentro de campo, no entanto, reunindo todos os duelos entre eles na história da Libertadores, o Boca segue como maior vencedor dos clássicos, mas o River Plate pode empatar agora nessa contagem. Até então, em 26 partidas pela Libertadores, o Boca Juniors venceu 10 jogos, contra 8 vitórias do River e 8 empates em um duelo que acontece desde 1966 por esse torneio. Já no retrospecto geral do confronto, o Boca permanece também como maior vencedor do superclássico, com 86 vitórias, contra 76 empates e 81 triunfos do River Plate.

Em número de títulos da Libertadores, o River Plate, apesar de ter vencido a histórica e única final entre ambos em dezembro de 2018, por sua vez, possui menos títulos do máximo torneio continental da América em relação ao seu arquirrival. O triunfo do River na decisão do ano passado foi a quarta conquista dos Millionarios na história, enquanto o Boca Juniors possui ainda seis títulos de Libertadores, sendo o último, contudo, há mais de dez anos, em 2007, sobre o Grêmio.

Esses são um dos aperitivos que esquentam previamente os dois arquirrivais argentinos, River e Boca, que se enfrentaram no Monumental de Nuñez há um mês, em duelo válido pelo Campeonato Argentino. A rede não balançou e os dois time ficaram no empate sem gols no dia 1º de setembro. O atual campeão da Libertadores, River, vem de classificações no certame sobre Cruzeiro, nas oitavas e Cerro Porteño, nas quartas de final, enquanto o Boca eliminou o Athletico Paranaense nas oitavas e a LDU de Quito, nas quartas de final.

O River Plate chega para este superclássico vindo de vitória no último sábado pelo Campeonato Argentino sobre o Gimnasia, pelo placar de 2 a 0, fora de casa. Já o Boca Juniors, também no último sábado, apenas empatou atuando no La Bombonera diante do Newell’s Old Boys, em 1 a 1. Dentro de campo, Marcelo Gallardo, técnico do River Plate e Gustavo Julio Alfadro, treinador do Boca, fazem mistérios quanto aos times que vão iniciar esta primeira partida.

Para que este novo clássico ocorra sem graves problemas no Monumental de Nuñez, um forte esquema de segurança está programado para a chegada do ônibus do Boca Juniors ao estádio. Desta vez, o veículo que vai levar jogadores e comissão técnica do Boca estará blindado, além de um reforço na escolta policial e câmeras de segurança. Depois do embate desta terça-feira, Boca e River se reencontrarão pela partida de volta, marcada para o dia 22 deste mês, no la Bombonera, para decidir o classificado à final que vai enfrentar Flamengo ou Grêmio.

Prováveis escalações:

River Plate: Armani; Montiel, Díaz, Martínez e Casco; Enzo Pérez, Palacios, Ignácio Fernández e De La Cruz; Borré (Scocco) e Lucas Pratto. Técnico: Marcelo Gallardo

Boca Juniors: Andrada; Buffarini, Júnior Alonso, Izquierdoz e Fabra; De Rossi, Capaldo, Obando, Alexis Marc Allister e Zárate; Ramón Ábila. Técnico: Gustavo Julio Alfaro

Arbitragem:

Árbitro: Raphael Claus (Brasil)

VAR: Nicolás Gallo (Colômbia)