Cruzeiro almeja virar placar para chegar à terceira final seguida da Copa do Brasil

Raposa precisa vencer por pelo menos dois gols de diferença para sair de Porto Alegre com a classificação sobre o Internacional

Rogério Ceni tem sua primeira decisão por mata-mata desde que chegou ao Cruzeiro.
Foto: Vinnicius Silva/Cruzeiro

Do Portal Futebol Diário, em Belo Horizonte

Marco Túlio Souto

A última tentativa do Cruzeiro pelo segundo título em 2019 ocorrerá nesta quarta-feira em uma competição que o clube é o atual bicampeão e maior vencedor do torneio com seis conquistas. Pela partida de volta da semifinal da Copa do Brasil, a Raposa visita o Internacional, às 21h30, no Beira-Rio, em Porto Alegre, na tentativa de reverter o escore e a vitória construída pelo time gaúcho no primeiro duelo, no Mineirão, no dia 7 de agosto, pelo placar de 1 a 0, em Belo Horizonte.

Para classificar à sua terceira final consecutiva de Copa do Brasil e nona em toda a competição, o Cruzeiro precisa superar o seu adversário por dois ou mais gols de diferença. Já uma vitória da Raposa por qualquer resultado por um gol sobre o Inter, leva à decisão para as penalidades máximas – uma vez que neste certame não há o gol qualificado. Por outro lado, o Internacional necessita apenas de um empate que vai estar de volta à sua segunda final de Copa do Brasil na história depois de dez anos. Nesse torneio, o Colorado possui um título, quando venceu o Fluminense, em 1992.

A promessa é de casa cheia no Beira-Rio, que vai ter majoritariamente torcedores do Internacional. Mesmo em vantagem na eliminatória, o Inter chega para este confronto um pouco mais pressionado que o Cruzeiro devido à eliminação recente na Libertadores para o Flamengo. Já a Raposa, que não perde há três partidas consecutivas sob o comando técnico de Rogério Ceni, com duas vitórias e um empate, ainda acredita na possibilidade da classificação com um ânimo maior trazido pelo novo treinador ao plantel.

Cruzeiro e Internacional devem ter algumas alterações nos times que foram titulares no primeiro encontro, em BH. No time celeste, apesar de mistério de Rogério Ceni, uma mudança é praticamente certa. Sem poder contar com o lateral direito Orejuela, que foi convocado pela Seleção da Colômbia, Edílson é a principal opção de momento e provavelmente vai estar entre os onze iniciais após quase quatro meses sem atuar como titular. A última partida de Edílson como titular foi justamente diante do Internacional, no dia 12 de maio, na derrota do Cruzeiro pelo placar de 3 a 1, pelo Brasileirão. Naquela ocasião, o jogador ainda saiu de campo expulso do jogo e depois não voltou mais ao time devido a uma lesão na panturrilha.

Edílson (D) voltou ao Cruzeiro no mês de agosto e está apto para jogar.
Foto: Vinnicius Silva/Cruzeiro

Além disso, as outras dúvidas na escalação cruzeirense então nas opções de outros setores e na formação tática da equipe. Na zaga, Dedé, que não participou da última atividade preparatória no CT do Grêmio, já retornou após recuperar de um edema na coxa direita. Em contrapartida, Léo segue sem jogar desde o mês de agosto pelo mesmo problema que teve o seu companheiro de defesa e é dúvida. Na lateral esquerda, Rogério Ceni vem revezando Egídio e Dodô na posição, e nenhum deles está garantido como titular. No meio-campo e ataque, mais mistério. Henrique, Robinho e Thiago Neves são presenças praticamente certas. Deste modo, jogadores como Marquinhos Gabriel, David, Pedro Rocha e Fred disputam as três vagas restantes.

Nico López ou Rafael Sóbis

Pelo lado do Internacional, o técnico Odair Hellmann tem três baixas confirmadas. A principal é a ausência do atacante Wellington Silva, peça fundamental do Inter sobretudo para o segundo tempo. Acusado, o jogador está na Espanha, onde presta depoimento sobre possível participação em manipulação de resultados quando atuava pelo Levante, na temporada 2010/11 do Campeonato Espanhol. O departamento jurídico do Internacional tentou adiar a data da ida do atleta, mas não conseguiu.

Jogadores do Inter tentam se redimir na Copa do Brasil após queda na Libertadores.
Foto: Ricardo Duarte/Internacional

Sem Wellington Silva, outros dois atletas também são desfalques certos contra o Cruzeiro. Trata-se do lateral Natanael e do volante Rodrigo Dourado, lesionados. Por outro lado, o Inter tem apenas uma dúvida em relação aos titulares e no sistema de ataque: Nico López ou Rafael Sóbis? No primeiro duelo, em Belo Horizonte, os dois jogadores foram titulares, uma vez que o capitão do time, D’Alessandro, estava suspenso e não atuou.

Este será o terceiro duelo entre Internacional e Cruzeiro na temporada 2019. Nos dois confrontos anteriores, um pelo Campeonato Brasileiro e o último, pela Copa do Brasil, os dois clubes possuem números equilibrados no histórico geral do duelo. Em 83 partidas, são 29 vitórias do Cruzeiro, 23 empates e 31 triunfos do Internacional. O jogo desta quarta-feira vai ser especial para o goleiro Fábio, do Cruzeiro, que completará à marca de 850 partidas pelo time celeste. Quem avançar neste duelo vai enfrentar Grêmio ou Athletico Paranaense, na final, que também duelam nesta quarta-feira, às 21h30, em Curitiba.

Prováveis escalações:

Internacional: Marcelo Lomba; Bruno, Rodrigo Moledo, Víctor Cuesta e Uendel; Rodrigo Lindoso, Edenilson e Patrick; D’Alessandro, Nico López (Rafael Sóbis) e Paolo Guerrero. Técnico: Odair Hellmann

Cruzeiro: Fábio; Edílson, Dedé, Léo (Fabrício Bruno) e Dodô (Egídio); Henrique, Robinho, Marquinhos Gabriel e Thiago Neves; Pedro Rocha e David (Fred). Técnico: Rogério Ceni

Arbitragem:

Árbitro: Flavio Rodrigues de Souza (SP)

Auxiliares: Alessandro Alvaro Rocha de Matos (BA) e Fabricio Vilarinho da Silva (GO)

VAR: Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral (SP)